Pular para o conteúdo principal

Passo a passo como trabalhar no Processo Administrativo de Trânsito!


Olá amigos do Blog Consultor de Trânsito!

Neste artigo vou mostrar pra vocês como funciona o processo administrativo de Trânsito, passo a passo para que você possa fazer a sua defesa e recursos de multas da melhor forma possível.

Em primeiro lugar ao ser autuado em uma infração de trânsito, com ou sem abordagem do veículo, você tem o direito de se defender SEMPRE.

Muitas pessoas me perguntam:

“Marcelo, recebi uma multa, posso recorrer?”

É óbvio que pode recorrer, não importa se você cometeu ou não a infração de trânsito, porque você tem o direito de se defender de qualquer infração de trânsito.

Então como você vai se defender daquela autuação?

Através do processo administrativo de trânsito.

O que é um processo administrativo?

O processo administrativo é um procedimento FORMAL adotado pelos órgãos de trânsito para apurarem a aplicação da penalidade de multa, da mesma forma que existe no processo judicial.

Processo formal significa que existe uma formalidade prevista em lei para que aquele processo possa caminhar até a sua conclusão.

Se o processo administrativo não observar os procedimentos previstos na lei e nas normas do CONTRAN, deverá ser considerado nulo.

O inicio do processo administrativo de trânsito ocorre quando o condutor ou proprietário do veículo é autuado em uma infração de trânsito, onde será lavrado (preenchido) o auto de infração que é o documento que da inicio ao processo (art. 280 do CTB e resolução 619/16 do CONTRAN).

Ao ser lavrado o auto de infração o agente ou policial encaminhará este documento para o órgão de trânsito responsável pela autuação (autoridade de trânsito), e lá neste órgão será avaliada a CONSISTÊNCIA do auto de infração (art. 281 CTB).

Ou seja, será analisado se aquele documento está de acordo com a lei e as normas do CONTRAN.

Se não estiver preenchido corretamente, a autoridade de trânsito vai arquivar o auto de infração e o condutor não será processado administrativamente pela infração (art. 281 parágrafo único).

Se estiver preenchido corretamente (segundo o órgão autuador) então o proprietário do veículo será notificado para apresentar a sua defesa ou indicar o condutor responsável pela infração cometida, se não houve a abordagem do veículo é claro.

Porque se houve a abordagem do veículo ao ser constatada a infração, então não é possível indicar condutor porque o condutor foi identificado, a não ser que a infração seja de responsabilidade do proprietário.

De qualquer maneira, o proprietário do veículo vai ser notificado da suposta autuação.

Ao receber a notificação o proprietário ou o condutor pode fazer a sua defesa, alegando:

- Inconsistência do auto de infração
- Irregularidades na autuação
- Divergência entre o documento do veículo e o auto de infração
- Não cometimento da infração, se tiver provas disso
- Prescrição (notificação enviada depois de 30 dias)

Se a sua defesa for aceita pelo órgão de trânsito, então o auto de infração vai ser arquivado e não haverá a aplicação da penalidade de multa (boleto para pagar a multa).

Mas se o órgão não aceitou a sua defesa, seja por não conhecimento por causa de algum erro que você cometeu, por exemplo, não assinar a defesa, ou por não aceitar os argumentos, então você vai receber a notificação de penalidade de multa que nada mais é do que o boleto para pagar a multa com 20% de desconto.

Com esta notificação (boleto) você vai recorrer para a JARI do órgão autuador, que será o RECURSO EM 1ª INSTÂNCIA ADMINISTRATIVA.

Se a JARI aceitar o seu recurso a penalidade é cancelada.

Se não aceitar, então será mantida a penalidade de multa e você receberá uma outra notificação comunicando de que a penalidade foi mantida, e se você quiser pode recorrer ao CETRAN que é o CONSELHO ESTADUAL DE TRÂNSITO da sede do Estado em que você foi autuado.

Este será o RECURSO EM 2ª INSTÂNCIA ADMINISTRATIVA.


Aqui cabem alguns esclarecimentos.

Se a autuação foi realizada por algum órgão de trânsito do Distrito Federal, não é CETRAN o órgão que vai julgar o recurso em segunda instância, mas sim o CONTRADIFE (CONSELHO DE TRÂNSITO DO DISTRITO FEDERAL).

E se o órgão autuador da infração for a PRF ou o DNIT, o recurso em segunda instância será julgado por um colegiado especial integrado pelo Coordenador-Geral da JARI, pelo Presidente da Junta que apreciou o recurso e por mais um Presidente de Junta, conforme previsto no art. 289 I letra b, do código de trânsito.

Também é importante mencionar que não cabe recurso ao CONTRAN, apesar de ser uma das atribuições do órgão e previsto no art. 289 do CTB.

Trata-se de um erro do legislador e nada mais.

Assim, após o julgamento do recurso em 2ª instância, não cabe mais recurso na esfera administrativa.

Então se o recurso não foi aceito, a penalidade será mantida e você poderá ingressar com uma ação judicial, caso entenda que a multa tem erros e que deve ser anulada.

Outra informação importante que é bom mencionar, que você não é obrigado a recorrer da multa na esfera administrativa, podendo assim entrar diretamente com uma ação judicial.

Não é necessário esgotar os recursos administrativos para somente depois contestar a multa na justiça.

Particularmente eu prefiro recorrer na via administrativa antes de entra com uma ação judicial, porque durante o processo administrativo podem ocorrer erros processuais.

Como eu disse no inicio deste artigo, o processo deve seguir uma formalidade prescrita em lei para que seja considerado válido.

Se houver algum vício formal no processo, então ao entrar com uma ação judicial para contestar a multa, ao mesmo tempo você pode contestar o erro processual.

O processo administrativo de trânsito também vale para os processos de suspensão e cassação da CNH.

O procedimento é o mesmo dos recursos de multas, com a diferença que o DETRAN é o único órgão de trânsito responsável pela instauração do processo de suspensão e cassação, e também pelo julgamento da defesa e do recurso na JARI.

Depois da JARI cabe recurso ao CETRAN ou CONTRADIFE da mesma forma que nas multas de trânsito.

Gostou deste artigo?

Compartilhe esta mensagem com os seus amigos.

E se você precisa da minha ajuda para recorrer de multas de trânsito, CLIQUE AQUI e fale diretamente comigo!

Abraço!

Marcelo Vaes é Especialista na área do Direito de Trânsito com mais de 15 anos de Experiência em Defesas e Recursos de Multas e Processos de Suspensão e Cassação da CNH.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

MODELO DE DEFESA DE MULTA EXCESSO DE VELOCIDADE – AUTUAÇÃO FEITA POR MEIO DE RADAR, BARREIRA OU LOMBADA ELETRÔNICA

Postamos aqui um modelo de defesa (ou Recurso) contra a penalidade de excesso de velocidade constatada por meio de aparelho medidor, seja, radar ou lombada eletrônica, tudo com base na Resolução do CONTRAN 396/11 que trata dos procedimentos para a fiscalização da velocidade de veículos automotores, reboques e semirreboques, conforme o Código de Trânsito Brasileiro.
Ressaltamos que sempre é interessante o leitor procurar um profissional especializado para montar uma defesa mais técnica e precisa para o seu caso, uma vez que nem sempre os modelos prontos são os melhores, porque pode haver algum erro na notificação da multa que enseja a sua anulação, e a pessoa que não conhece a Lei não poderá vê-la. Se você precisa de uma defesa técnica e personalizada, entre em contato conosco pelo E-mail: contato@multasbrasil.com.br que teremos o prazer em lhe ajudar.
Segue o modelo abaixo:
ILMO. SR. DIRETOR... (colocar o nome do órgão destinatário, que é o expedidor da notificação, seja municipal, estad…

COMO INDICAR O CONDUTOR FORA DO PRAZO PREVISTO NO CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO (TUDO O QUE O DETRAN NÃO QUER QUE VOCÊ SAIBA!)

COMO ANULAR UMA MULTA DE TRÂNSITO MESMO SENDO CULPADO? (SEGREDOS QUE OS ESPECIALISTAS NÃO TE CONTAM!)

Muitos clientes nos procuram para fazer uma defesa de multa, não acreditando que possa ser anulada mesmo que ele tenha cometido a infração. Depois de certo tempo quando vem o resultado do julgamento, ficam surpresos porque a multa foi anulada.
Estes “segredos” eu quero compartilhar com você aqui no blog Consultor de Trânsito, para demostrar que mesmo se você cometeu uma infração de trânsito ainda é possível ter esta penalidade cancelada, ou seja, mesmo que você seja culpado. Duvida? Então me acompanhe neste artigo que vou lhe mostrar como.
Basicamente se anula uma multa de trânsito mesmo sendo culpado de 2 maneiras:
(Existem outras formas, mas estas considero como sendo as principais e mais importantes)
1 - Erros Processuais 2 – Erros Formais
Mas antes de adentrar no estudo, quero deixar claro que alguns operadores do direito, especialistas na área de trânsito, divergem a respeito de alguns destes itens. Uns consideram que alguns dos erros formais são na verdade erros processuais, ou alguns…