JURISPRUDÊNCIA DE TRÂNSITO COMENTADA: MULTA SEM ABORDAGEM ANULADA – PROPRIETÁRIO COM PPD – PERMISSÃO PARA DIRIGIR (CNH PROVISÓRIA) – INDICAÇÃO DE CONDUTOR VIA JUDICIAL


Hoje vou trazer mais uma decisão judicial para nós estudarmos e assim aprender mais sobre esta área do Direito de trânsito!

Neste artigo comentaremos uma decisão judicial do TJ-SC!






Vejamos a decisão e depois passamos ao estudo.

ADMINISTRATIVO - INFRAÇÃO DE TRÂNSITO - IMPOSIÇÃO DE PENALIDADE DE IMPEDIMENTO À OBTENÇÃO DA CARTEIRA NACIONAL DE HABILITAÇÃO PARA DIRIGIR VEÍCULO AUTOMOTOR A PERMISSIONÁRIO - AUSÊNCIA DE NOTIFICAÇÃO DA AUTUAÇÃO - IMPEDIMENTO DE INDICAÇÃO DO CONDUTOR INFRATOR - OFENSA AO DIREITO DE CONTRADITÓRIO E AMPLA DEFESA - AUTORA QUE COMPROVOU NÃO ESTAR CONDUZINDO VEÍCULO DE SUA PROPRIEDADE NO MOMENTO DA INFRAÇÃO DE TRÂNSITO - CONDUTOR QUE ASSUMIU FORMALMENTE A RESPONSABILIDADE - TRANSFERÊNCIA DOS PONTOS PERMITIDA - RECURSO IMPROVIDO - ÔNUS SUCUMBENCIAIS - RECONHECIMENTO DE ISENÇÃO DE CUSTAS AO ESTADO DE SANTA CATARINA - HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS FIXADOS COM MODERAÇÃO CONTRA A FAZENDA PÚBLICA – MANUTENÇÃO DA DECISÃO.  2015.080191-0 (Acórdão). TJ-SC

COMENTÁRIO

O Autor da ação relata que possuía a CNH provisória (PPD – Permissão Para Dirigir), e que ao solicitar a habilitação definitiva foi impedido pelo DETRAN por constar no seu prontuário uma multa gravíssima.

Alega que não recebeu a notificação de autuação para apresentar defesa, pois, não era o condutor naquela ocasião, que ficou demostrado por meio de provas.
O Código de Trânsito Brasileiro prevê o seguinte:

Art. 148. Os exames de habilitação, exceto os de direção veicular, poderão ser aplicados por entidades públicas ou privadas credenciadas pelo órgão executivo de trânsito dos Estados e do Distrito Federal, de acordo com as normas estabelecidas pelo CONTRAN.
§ 3º A Carteira Nacional de Habilitação será conferida ao condutor no término de um ano, desde que o mesmo não tenha cometido nenhuma infração de natureza grave ou gravíssima ou seja reincidente em infração média.

A lei de trânsito não permite ao condutor permissionário, requerer a CNH definitiva após o prazo de 1 ano quando o mesmo tenha recebido uma multa grave ou gravíssima e se não for reincidente em infração média.

No caso, o Autor da ação foi autuado em infração gravíssima, e, portanto, o DETRAN o impediu de requerer a sua CNH.

Contudo, o mesmo não foi notificado para apresentar condutor ou defesa, sendo que o DETRAN não comprovou no processo que havia enviado tal notificação de autuação.

A decisão foi acertada, pois, fere o princípio de defesa previsto na CF/88 e, portanto, não poderia o DETRAN impedi-lo de requerer a CNH definitiva.

Importante destacar que o verdadeiro condutor ASSUMIU FORMAMENTE A INFRAÇÃO COMETIDA, ou seja, possivelmente fez uma declaração a próprio punho com reconhecimento em cartório assumindo a multa por ele praticada, mesmo após o prazo de indicação do condutor, que no caso não houve esta possibilidade pela ausência de notificação de autuação ao proprietário do veículo.

Nesse sentido é que decidiu o STJ:

PROCESSUAL CIVIL E ADMINISTRATIVO. ILEGITIMIDADE ATIVA DA AUTORIDADE COATORA. MATÉRIA DE ORDEM PÚBLICA. AUSÊNCIA DE PREQUESTIONAMENTO. APRECIAÇÃO POR ESTA CORTE SUPERIOR. POSSIBILIDADE CONDICIONADA À ABERTURA DA INSTÂNCIA ESPECIAL POR OUTROS ARGUMENTOS. NECESSIDADE DE DISCUSSÃO QUE REQUER ANÁLISE DE LEI LOCAL. APLICAÇÃO DA SÚMULA N. 280 DO STF, POR ANALOGIA. NÃO-INDICAÇÃO DE DISPOSITIVO DE LEI FEDERAL VIOLADO. INCIDÊNCIA DA SÚMULA N. 284 DO STF, TAMBÉM POR ANALOGIA. TRÂNSITO. RESPONSABILIDADE POR INFRAÇÃO IMPUTADA AO PROPRIETÁRIO EM RAZÃO DO QUE DISPÕE O ART. 257, § 7º, DO CTB. PRECLUSÃO TEMPORAL ADMINISTRATIVA. NECESSIDADE DE ANDAMENTO DO PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO. COMPROVAÇÃO, EM SEDE JUDICIAL, DE QUE O INFRATOR NÃO ERA O PROPRIETÁRIO DO VEÍCULO. RESPONSABILIDADE DO CONDUTOR. INAFASTABILIDADE DO CONTROLE JURISDICIONAL.
(...)
9. Em segundo lugar, em relação à malversação do art. 257, § 7º, do CTB - que determina que "não sendo imediata a identificação do infrator, o proprietário do veículo terá quinze dias de prazo, após a notificação da autuação, para apresentá-lo, na forma em que dispuser o CONTRAN, ao fim do qual, não o fazendo, será considerado responsável pela infração" -, é preciso destacar que a preclusão temporal que tal dispositivo consagra é meramente administrativa.
10. Trata-se de medida instituída unicamente para frear a busca incessante pela verdade material no âmbito administrativo e compatibilizá-la com a necessidade de andamento dos procedimentos desenvolvidos pela Administração Pública - no caso, no que tange à aplicação de sanções de trânsito.
14. Recurso especial parcialmente conhecido e, nesta parte, não provido. RECURSO ESPECIAL Nº 765.970 - RS (2005/0113728-8)

Veja que a decisão do STJ entende que o prazo para indicação do condutor de 15 dias previsto no §7º do art. 257 do CTB, é MERAMENTE ADMINISTRATIVO, não impedindo o cidadão de fazê-la na via judicial.

Também destaco a questão da não abordagem do veículo para notifica-lo da infração, porque pode ocorrer equívocos como foi neste caso.

Obviamente a lei de trânsito permite a não abordagem do veículo para constatar a infração, entretanto, podem ser cometidos inúmeros equívocos, como foi neste processo aqui estudado.

Espero ter ajudado.





Marcelo Vaes é profissional da área de trânsito com mais de 15 anos de experiência em Defesas e Recursos de Multas e Processos de Suspensão e Cassação da CNH e atende em todo o país pelo Site www.multasbrasil.com.br.

Comentários

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas deste blog

MODELO DE DEFESA DE MULTA EXCESSO DE VELOCIDADE – AUTUAÇÃO FEITA POR MEIO DE RADAR, BARREIRA OU LOMBADA ELETRÔNICA

MODELO DE DEFESA OU RECURSO CONTRA PENALIDADE DE SUSPENSÃO DO DIREITO DE DIRIGIR

COMO ANULAR UMA MULTA DE TRÂNSITO MESMO SENDO CULPADO? (SEGREDOS QUE OS ESPECIALISTAS NÃO TE CONTAM!)