DIFERENÇA ENTRE JULGAMENTO DA CONSISTÊNCIA DO AUTO DE INFRAÇÃO DE TRÂNSITO E JULGAMENTO DA DEFESA PRÉVIA


Recebi um e-mail ontem dia 04/06 do Sr. Augusto da cidade de Criciúma – SC, me perguntando se o julgamento do auto de infração de trânsito e da defesa prévia são a mesma coisa.

Esta é uma dúvida comum e que pretendo “solucionar” neste post.

Vamos ver o que diz o Código de Trânsito.

Art. 281. A autoridade de trânsito, na esfera da competência estabelecida neste Código e dentro de sua circunscrição, julgará a consistência do auto de infração e aplicará a penalidade cabível.

Antes de qualquer coisa, precisamos entender que o Código de trânsito não previu a Defesa Prévia, mas apenas o Recurso.

Este erro foi corrigido pela Resolução 149/03 do CONTRAN que atualmente foi revogada pela 404/12, depois que o Superior Tribunal de Justiça – STJ – editou a súmula 312 que determinou que os órgãos de trânsito notifiquem os infratores com a notificação da autuação (NAIT), antes da notificação para aplicar da penalidade (NIP).

Assim, ao ser autuado, o cidadão receberá em sua residência a notificação da autuação para apresentar a defesa prévia, e somente depois disso é que receberá em caso de indeferimento da defesa, a notificação da penalidade (boleto).

Mas antes deste procedimento houve a lavratura do auto de infração (AIT) por policial, agente de trânsito ou aparelho eletrônico, conforme determina o Art. 280 e incisos do CTB.

Desta maneira, o AIT será enviado ao órgão que autuou o motorista para que esta autoridade de trânsito verifique se o mesmo foi preenchido corretamente.

Essa verificação é o ato de julgar a consistência do Auto de Infração, para somente depois que for considerado válido (homologação), é que será expedida a notificação para o infrator apresentar defesa prévia.

Já no julgamento da defesa prévia, o órgão de trânsito apreciará o mérito (Res.404/12) e entre outras questões levantadas pelo defendente. Mas isso não significa que não poderá julgar a consistência do AIT novamente se houve algum erro apontado pelo cidadão que está se defendendo.

Assim, percebemos que existem dois julgamentos:

1 – O Julgamento da consistência do Auto de Infração
2 – O Julgamento da defesa prévia.

Portanto, julgar a consistência do AIT e a defesa prévia não são a mesma coisa, pois, se no caso do julgamento da consistência do auto o órgão de trânsito entender que não foi preenchido corretamente, então não enviará a notificação da autuação para que o infrator possa se defender, e assim não se iniciará o processo administrativo.

Espero ter ajudado.

Deixe o seu comentário ou contribuição para o assunto.

Marcelo Vaes é sócio proprietário do escritório Brasil Assessoria e Consultoria de Trânsito, especializado em Defesas e Recursos de Multas e em Processos de Suspensão ou Cassação do direito de dirigir. Também é administrador do Site www.multasbrasil.com.br, e do Blog Consultor de Trânsito, onde traz semanalmente estudos a respeito da área do direito de trânsito.
Você pode entrar em contato com o Autor através do e-mail: contato@multasbrasil.com.br


Comentários

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas deste blog

MODELO DE DEFESA DE MULTA EXCESSO DE VELOCIDADE – AUTUAÇÃO FEITA POR MEIO DE RADAR, BARREIRA OU LOMBADA ELETRÔNICA

MODELO DE DEFESA OU RECURSO CONTRA PENALIDADE DE SUSPENSÃO DO DIREITO DE DIRIGIR

COMO ANULAR UMA MULTA DE TRÂNSITO MESMO SENDO CULPADO? (SEGREDOS QUE OS ESPECIALISTAS NÃO TE CONTAM!)