Pular para o conteúdo principal

QUAL A DIFERENÇA ENTRE ENTREGAR E PERMITIR NO CTB?



No capítulo das infrações de trânsito do CTB, os artigos 163 e 164, algumas vezes trazem dúvidas a respeito da diferença entre entregar a permitir.

Vamos ver o que diz os artigos antes de estudarmos:



Art. 163. Entregar a direção do veículo a pessoa nas condições previstas no artigo anterior:

Art. 164. Permitir que pessoa nas condições referidas nos incisos do art. 162 tome posse do veículo automotor e passe a conduzi-lo na via:

Veja que os artigos nos remetem ao Art. 162 do CTB que diz:

Art. 162. Dirigir veículo:
I - sem possuir Carteira Nacional de Habilitação ou Permissão para Dirigir: Infração - gravíssima;
        Penalidade - multa (três vezes) e apreensão do veículo;
        II - com Carteira Nacional de Habilitação ou Permissão para Dirigir cassada ou com suspensão do direito de dirigir: Infração - gravíssima;
        Penalidade - multa (cinco vezes) e apreensão do veículo;
        III - com Carteira Nacional de Habilitação ou Permissão para Dirigir de categoria diferente da do veículo que esteja conduzindo: Infração - gravíssima;
Penalidade - multa (três vezes) e apreensão do veículo;
     Medida administrativa - recolhimento do documento de habilitação;

Então se você for o proprietário do veículo e for autuado em alguma das duas infrações, seja do art. 163 ou 164, deve ter o cuidado de saber a diferença entre as duas definições, justamente porque ao fazer sua defesa contra autuação, verificar se o agente de trânsito o enquadrou na infração correta. Assim, é mais um argumento para anular a infração. E garanto que este erro ocorre muitas vezes.

Entregar é passar ás mãos ou a posse de alguém, a direção de eveículo automotor, quando o condutor devidamente habilitado e estando presente, passar ás mãos de alguém que não esteja em plenas condições de conduzir veículo automotor.

Permitir é dar licença, autorizar, consentir, tolerar. Estas tipificações relativas ao artigo 164, dizem respeito a quando o condutor a quem foi permitido tomar a direção de veículo automotor e conduzi-lo em via pública, esteja em uma das situações previstas no art. 162 e o proprietário do veículo não esteja consigo. É o exemplo clássico do pai que permite ao seu filho não habilitado, a direção do veículo e não o acompanha. *

Portanto, ENTREGAR direção de veículo á pessoa nas condições previstas no artigo 162, é quando se está presente no local da infração, e PERMITIR que pessoa nas condições referidas nos incisos do art. 162 tome posse do veículo automotor e passe a conduzi-lo na via, é quando não se está presente no local da infração.

* (Definições retiradas do comentário do CTB do Coronel da Brigada Militar do Rio Grande do Sul, Ordeli Savedra Gomes em sua 8ª edição de 2013 editora Juruá).

Espero ter ajudado.

Marcelo Vaes é sócio proprietário do escritório Brasil Assessoria e Consultoria de Trânsito, especializado em Defesas e Recursos de Multas e em Processos de Suspensão ou Cassação do direito de dirigir. Também é administrador do Site www.multasbrasil.com.br, e do Blog Consultor de Trânsito, onde traz semanalmente estudos a respeito da área do direito de trânsito.

Você pode entrar em contato com o Autor através do e-mail:contato@multasbrasil.com.br

 “Nosso compromisso é com o seu Direito”


Comentários

  1. Bom dia.

    Eu permiti que um funcionario dirigisse o veiculo sem habilitação, porem o policial quando autuou meu funcionario, solicitou que fossemos até o local da autuação. Ai ele me aplicou a multa do artigo 163, o que acho errado ja que eu não estava presente no momento da autuação. E pra complicar ainda mais ele também me aplicou a multa do artigo 162 I, posso ser punido 2x por uma mesma infração divida em 2 artigos, 162 I e 163?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

MODELO DE DEFESA DE MULTA EXCESSO DE VELOCIDADE – AUTUAÇÃO FEITA POR MEIO DE RADAR, BARREIRA OU LOMBADA ELETRÔNICA

Postamos aqui um modelo de defesa (ou Recurso) contra a penalidade de excesso de velocidade constatada por meio de aparelho medidor, seja, radar ou lombada eletrônica, tudo com base na Resolução do CONTRAN 396/11 que trata dos procedimentos para a fiscalização da velocidade de veículos automotores, reboques e semirreboques, conforme o Código de Trânsito Brasileiro.
Ressaltamos que sempre é interessante o leitor procurar um profissional especializado para montar uma defesa mais técnica e precisa para o seu caso, uma vez que nem sempre os modelos prontos são os melhores, porque pode haver algum erro na notificação da multa que enseja a sua anulação, e a pessoa que não conhece a Lei não poderá vê-la. Se você precisa de uma defesa técnica e personalizada, entre em contato conosco pelo E-mail: contato@multasbrasil.com.br que teremos o prazer em lhe ajudar.
Segue o modelo abaixo:
ILMO. SR. DIRETOR... (colocar o nome do órgão destinatário, que é o expedidor da notificação, seja municipal, estad…

COMO INDICAR O CONDUTOR FORA DO PRAZO PREVISTO NO CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO (TUDO O QUE O DETRAN NÃO QUER QUE VOCÊ SAIBA!)

COMO ANULAR UMA MULTA DE TRÂNSITO MESMO SENDO CULPADO? (SEGREDOS QUE OS ESPECIALISTAS NÃO TE CONTAM!)

Muitos clientes nos procuram para fazer uma defesa de multa, não acreditando que possa ser anulada mesmo que ele tenha cometido a infração. Depois de certo tempo quando vem o resultado do julgamento, ficam surpresos porque a multa foi anulada.
Estes “segredos” eu quero compartilhar com você aqui no blog Consultor de Trânsito, para demostrar que mesmo se você cometeu uma infração de trânsito ainda é possível ter esta penalidade cancelada, ou seja, mesmo que você seja culpado. Duvida? Então me acompanhe neste artigo que vou lhe mostrar como.
Basicamente se anula uma multa de trânsito mesmo sendo culpado de 2 maneiras:
(Existem outras formas, mas estas considero como sendo as principais e mais importantes)
1 - Erros Processuais 2 – Erros Formais
Mas antes de adentrar no estudo, quero deixar claro que alguns operadores do direito, especialistas na área de trânsito, divergem a respeito de alguns destes itens. Uns consideram que alguns dos erros formais são na verdade erros processuais, ou alguns…