Pular para o conteúdo principal

ATUALIZAÇÃO! RESOLUÇÃO Nº 497, DE 29 DE JULHO DE 2014


Nova Resolução do CONTRAN em vigor.

Altera o Manual Brasileiro de Fiscalização de 
Trânsito, Volume I – Infrações de competência 
municipal, incluindo as concorrentes dos órgãos e 
entidades estaduais de trânsito e rodoviários.

Art. 2º O item 4., Agente da Autoridade de Trânsito, do MBFT – Volume I, passa a 
vigorar com a seguinte redação: 

“4. AGENTE DA AUTORIDADE DE TRÂNSITO: 
 O agente da autoridade de trânsito competente para lavrar o auto de infração de trânsito (AIT) poderá ser servidor civil, estatutário ou celetista ou, ainda, policial militar designado pela autoridade de trânsito com circunscrição sobre a via no âmbito de sua competência. 

 Para que possa exercer suas atribuições como agente da autoridade de trânsito, o servidor ou policial militar deverá ser credenciado, estar devidamente uniformizado, conforme padrão da instituição, e no regular exercício de suas funções. O veículo utilizado na fiscalização de trânsito deverá estar caracterizado. 

 O agente de trânsito, ao constatar o cometimento da infração, lavrará o respectivo auto e aplicará as medidas administrativas cabíveis. 

É vedada a lavratura do AIT por solicitação de terceiros, excetuando-se o caso em que o órgão ou entidade de trânsito realize operação (comando) de fiscalização de normas de circulação e conduta, em que um agente de trânsito constate a infração e informe ao agente que esteja na abordagem; neste caso, o agente que constatou a infração deverá convalidar a autuação no próprio auto de infração ou na planilha da operação (comando), a qual deverá ser arquivada para controle e consulta.

O AIT traduz um ato vinculado na forma da Lei, não havendo discricionariedade com relação a sua lavratura, conforme dispõe o artigo 280 do CTB.

O agente de trânsito deve priorizar suas ações no sentido de coibir a prática das infrações de trânsito, devendo tratar a todos com urbanidade e respeito, sem, contudo, omitir- se das providências que a lei lhe determina.”  

Art. 3º O item 9.1, Condutor oriundo de país Estrangeiro, do MBFT – Volume I, 
passa a vigorar com a seguinte redação: 

“9.1 Condutor oriundo de país Estrangeiro:
    
O condutor de veículo automotor, oriundo de país estrangeiro e nele habilitado, poderá dirigir portando Permissão Internacional para Dirigir (PID) ou documento de habilitação estrangeira, acompanhados de documento de identificação, quando o país de origem do condutor for signatário de Acordos ou Convenções Internacionais, ratificados pelo Brasil, respeitada a validade da habilitação de origem e o prazo máximo de 180 dias da sua estada regular no Brasil.”  
Art. 4º As fichas das infrações previstas nos art. 169 (código de infração 520-70), 
art. 181, X (código de infração 547-90), art. 185, I (código de infração 570-30), art. 187, I 
(códigos de infração 574-61 e 574-63), art. 193 (código de infração 581-92), art. 195 (código 
de infração 583-50), art. 204 (código de infração 597-50), art. 205 (código de infração 598-30), 
art. 220, XIV (códigos de infração 639-41 e 639-42), art. 224 (código de infração 644-00), art. 
231, VIII (códigos de infração 686-61 e 686-62), art. 244, I (código de infração 703-01), art. 
244, II (código de infração 704-81), art. 250, I, a (código de infração 723-40), art. 250, I, c 
(código de infração 725-00), do MBFT – Volume I, passam a vigorar com a redação dada pelo 

Anexo desta Resolução.  
Art. 5º Fica acrescida ao MBFT-I a ficha da infração prevista no art. 230, XXIII, 
do CTB (código de infração 756-00), com a redação dada pelo Anexo desta Resolução.  
Art. 6º Para o cumprimento do disposto nesta Resolução, os órgãos e entidades 
executivos de trânsito e rodoviários componentes do Sistema Nacional de Trânsito deverão 
adequar seus procedimentos até a data de 31 de dezembro de 2014.  
 3 
Art. 7º Os Anexos desta Resolução se encontram disponíveis no sítio eletrônico 
www.denatran.gov.br  
Art. 8º Ficam revogadas as fichas das infrações previstas nos art. 244, I (códigos de 
infração 703-02 e 703-04) e art. 244, II (códigos de infração 704-82 e 704-84).  
Art. 9º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. 

Marcelo Vaes
Consultor de Trânsito
(54) 3261-1195
assessbrasil@gmail.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MODELO DE DEFESA DE MULTA EXCESSO DE VELOCIDADE – AUTUAÇÃO FEITA POR MEIO DE RADAR, BARREIRA OU LOMBADA ELETRÔNICA

Postamos aqui um modelo de defesa (ou Recurso) contra a penalidade de excesso de velocidade constatada por meio de aparelho medidor, seja, radar ou lombada eletrônica, tudo com base na Resolução do CONTRAN 396/11 que trata dos procedimentos para a fiscalização da velocidade de veículos automotores, reboques e semirreboques, conforme o Código de Trânsito Brasileiro.
Ressaltamos que sempre é interessante o leitor procurar um profissional especializado para montar uma defesa mais técnica e precisa para o seu caso, uma vez que nem sempre os modelos prontos são os melhores, porque pode haver algum erro na notificação da multa que enseja a sua anulação, e a pessoa que não conhece a Lei não poderá vê-la. Se você precisa de uma defesa técnica e personalizada, entre em contato conosco pelo E-mail: contato@multasbrasil.com.br que teremos o prazer em lhe ajudar.
Segue o modelo abaixo:
ILMO. SR. DIRETOR... (colocar o nome do órgão destinatário, que é o expedidor da notificação, seja municipal, estad…

COMO INDICAR O CONDUTOR FORA DO PRAZO PREVISTO NO CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO (TUDO O QUE O DETRAN NÃO QUER QUE VOCÊ SAIBA!)

COMO ANULAR UMA MULTA DE TRÂNSITO MESMO SENDO CULPADO? (SEGREDOS QUE OS ESPECIALISTAS NÃO TE CONTAM!)

Muitos clientes nos procuram para fazer uma defesa de multa, não acreditando que possa ser anulada mesmo que ele tenha cometido a infração. Depois de certo tempo quando vem o resultado do julgamento, ficam surpresos porque a multa foi anulada.
Estes “segredos” eu quero compartilhar com você aqui no blog Consultor de Trânsito, para demostrar que mesmo se você cometeu uma infração de trânsito ainda é possível ter esta penalidade cancelada, ou seja, mesmo que você seja culpado. Duvida? Então me acompanhe neste artigo que vou lhe mostrar como.
Basicamente se anula uma multa de trânsito mesmo sendo culpado de 2 maneiras:
(Existem outras formas, mas estas considero como sendo as principais e mais importantes)
1 - Erros Processuais 2 – Erros Formais
Mas antes de adentrar no estudo, quero deixar claro que alguns operadores do direito, especialistas na área de trânsito, divergem a respeito de alguns destes itens. Uns consideram que alguns dos erros formais são na verdade erros processuais, ou alguns…